Ocorreu um erro neste gadget

domingo, 27 de fevereiro de 2011

ABSURDO CONTRA CICLISTAS EM PORTO ALEGRE

Imagens de um ciclista mostram o momento em que um motorista atropelou um grupo de ciclistas após uma discussão na última sexta-feira, em Porto Alegre. Pelo menos 15 foram atingidos e oito tiveram de ser encaminhados ao Hospital de Pronto Socorro (HPS). Eles eram integrantes do grupo Massa Crítica, que defende o uso da bicicleta e combate o uso do automóvel nas ruas da capital gaúcha.

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Contação de Histórias com Areia

Casa da Cultura Brasil-Angola promove leitura entre crianças

Luanda - A Casa da Cultura Brasil-Angola realizou hoje, quarta-feira, em Luanda, a primeira edição de 2011 do projecto “Sopa de Letrinhas”, com vista a promover o incentivo da leitura no seio de crianças.m Em declarações à Angop, a directora da Casa da Cultura Brasil - Angola, Tessa Pisconti, fez saber que se deve cultivar o hábito de leitura desde pequeno, considerando este procedimento um "caminho muito lindo". Segundo Tessa Pisconti, o crescimento e o desenvolvimento pessoal que a leitura traz capacita as crianças para a inclusão em diversas situações do mundo. "A cada mês na Casa da Leitura realiza-se duas edições, mas estamos sempre abertos para convites de escolas ou até mesmos instituições para trabalharmos com a criança", disse. A iniciativa será realizada todas as quartas-feiras, a partir do dia 1 de Julho de 2011. Lançado a 1 de Julho de 2009, o projecto "Sopa de Letrinhas" visa divulgar ao público angolano a literatura infantil brasileira e baseia-se na leitura de textos e contos de “estórias" infantis para crianças de 4 a 10 anos de idade.
 


Projeto de incentivo à leitura será lançado no Campus da Capital do IFPB

O Campus João Pessoa do IFPB sedia no final da tarde de hoje a solenidade de lançamento do Projeto Nacional Botando o Brasil Pra ler. O evento ocorre nessa quinta-feira, dia 24, às 17h, no Auditório José Marques, em Jaguaribe.
A iniciativa é integrada por 17 escritores, vinculados às editoras Thesaurus e a Tcomfixx Comunicação e Marketing Ltda. O grupo de intelectuais e suas respectivas editoras serão representados pelo escritor paraibano Tarcísio Neves, autor dos novos romances Lobos do Sertão e O Milagre da Forca.
A solenidade contará com a participação da coordenadora nacional do Projeto, a professora paranaense Maristela Chociai. Ela virá exclusivamente para este evento cultural no Instituto Federal da Paraíba. De acordo com o evento, o Projeto será lançado inicialmente em João Pessoa, depois no Paraná e, em nível nacional, no Programa Jô Soares, da Rede Globo.

SESI Indústria do Conhecimento promove Dia de Incentivo à Leitura


A unidade do SESI Indústria do Conhecimento em Gurupi realiza na próxima segunda, 28, o Dia de Incentivo a Leitura. Serão realizadas atividades voltadas para crianças como roda de leitura, contação de histórias, pintura facial, concurso de desenho, além da animação da turma do SESINHO, mascote do SESI.
Durante todo o dia, crianças de todas as idades terão a oportunidade de ‘Aprender com o SESINHO no mundo fantástico da Indústria do Conhecimento’, temática da atividade que busca despertar nas crianças o gosto pela leitura.
A ação é parte de um cronograma de atividades a serem realizadas pela Indústria do Conhecimento durante esse ano, que visam despertar na comunidade que mora no entorno da unidade para o hábito da leitura. A programação conta com palestras, dias temáticos, sarau literário, cine cultural, dentre outras.
As escolas interessadas em levar grupos de alunos devem agendar previamente a visita pelo telefone (063) 3315-3311 com Andrezza Ferrarezi. Podem participar crianças de todas as idades.
Em Gurupi, a unidade da Indústria do Conhecimento conta com um acervo de 1.186 exemplares alem de ser equipada com computadores conectados a internet, sala de leitura, CDs, DVDs, gibis, jornais e revistas. Conta também com monitores treinados para auxiliar a população no uso dos computadores e na assimilação do conhecimento. (Informações da ascom/Sesi)

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

"Existe un pronunciado y profundo desprecio de Estados Unidos e Israel por la democracia en el mundo árabe"

Noam Chomsky

Prodavinci
Cuando entré ayer a las 10 y media de la mañana a la oficina de Noam Chomsky, le dije a su secretaria Bev Stohl: “Bev, Mubarak se va del gobierno”. Yo tenía 20 minutos para culminar, preguntándole sobre la situación del medio oriente, una larga entrevista sobre América Latina iniciada en octubre y de la cual esta conversación sería solo una posdata. Bev no sabía la noticia de la caída de Mubarak y aseguró que Chomsky tampoco. “Hay muchos rumores”, afirmó Chomsky, para no tomar totalmente en serio lo que oía. “Venía escuchando la radio de la BBC y repetían lo que había asegurado Mubarak anoche: se irá a su casa de veraneo, pero no dejará el poder”. Le dije que acababa de darse la noticia en el New York Times. Como buen objetivista, es de los que necesitan ver para creer. Y si lo dice el New York Times hay que darle crédito, aunque él mismo sea su mayor crítico. En cualquier caso, le planteé como escenario de la conversación la salida de Mubarak y sus efectos, en particular las posibilidades del avance democrático en el mundo árabe. Al terminar se despidió cruzando los dedos para señalar sus esperanzas por un futuro democrático. Parte del mundo árabe está viviendo una epidemia de demanda de democracia. Ahora Mubarak ha dejado el poder. Implica su salida un cambio en el juego de poder de la región. Se habla de revolución y libertad, pero, ¿pueden la democracia y la independencia consolidarse? Como dijo un filósofo en estos días, “no podemos dar el futuro por descontado”. ¿Cuál es su esperanza personal?
Lo que ha venido pasando, incluyendo la salida de Mubarak, es espectacular y no puedo recordar nada parecido. Se le compara a estos eventos con lo que sucedió en 1989 en Europa del Este, pero no hay comparación. Por una razón. Allá hubo un Gorbachov que manejó la situación para que el sistema se mantuviera en pie. Y los poderes de Occidente lo ayudaron y apoyaron. En el caso de Europa del Este también las potencias occidentales apoyaron a los manifestantes, en el norte de África ningún poder de Occidente ha apoyado las protestas. Así que la única comparación posible es con Rumania, donde Ceaucescu, el más horrible de los dictadores, quien gozaba del cariño y protección de Estados Unidos y Gran Bretaña, que lo apoyaron casi hasta el final. Lo que ha sucedido en Túnez, Jordania, Yemen y Egipto, muestra un nivel de valentía y determinación al que es difícil encontrarle situaciones análogas. En Túnez el sistema estaba relativamente bajo control de Francia, con espías franceses infiltrados por doquier. Egipto, en cambio, ha estado bajo control de Estados Unidos. De modo que su situación afecta directamente los intereses de Washington. Esto no es nada nuevo, por supuesto. En los cincuenta, el presidente Eisenhower sostuvo reuniones secretas con su equipo para discutir lo que el llamó “la campaña de odio contra Estados Unidos”. El Consejo Nacional de Seguridad envió un memorándum secreto revisando la situación y en el que decía algo así: hay la percepción en el mundo árabe de que Estados Unidos apoya dictadores rudos y brutales y bloquea la democracia y el desarrollo. Eso lo hacemos porque queremos mantener el control de los recursos energéticos. El memo decía que la percepción era más o menos adecuada porque eso precisamente es lo que nosotros –es decir el gobierno de Estados Unidos– deberíamos estar haciendo. El principio de esta lógica es que en tanto la población permanezca pasiva, intimidada y distraída, podemos hacer los que nos dé la gana. Y esa lógica prevalece justo hasta este momento. Así que por ejemplo, pensemos en la filtraciones de Wikileaks en las cuales el gobierno árabe aparece apoyando a Estados Unidos en relación con Irán. Bueno, investigando la prensa no pude encontrar –y creo que nadie más podrá hacerlo– una sola información de lo que piensa la opinión pública árabe. Hay encuestas de opinión, hechas por prestigiosas compañías estadounidenses, como la que publicó hace muy poco The Brookings Institution en la que se muestra otra vez que el sentimiento de odio hacia Estados Unidos es extraordinario. Cerca de 10 por ciento de la población ve a Irán como una amenaza, pero entre 80 y 90 por ciento piensa que las mayores amenazas son Israel y Estados Unidos. Incluso, la mayoría de la población piensa que estarían mejor si Irán tuviera armas atómicas, pero eso no se reporta. Y la razón es un pronunciado y profundo desprecio de Estados Unidos e Israel por la democracia en el mundo árabe. En tanto la población esté bajo control y tengamos a un dictador de nuestro lado, hacemos lo que queremos. Eso es realmente sorprendente. Por eso, la situación actual de Egipto y el mundo árabe, representa un problema. Lo que tradicionalmente ha sucedido en el punto en el que estaban las cosas antes de la salida de Mubarak es una estrategia rutinaria que ha pasado una y otra vez: Marcos en Filipinas, Duvalier en Haiti, Suharto en Indonesia. Es decir, llega un momento en el que ya no puedes apoyar a tu dictador favorito y entonces tienes que hacerlo a un lado, llamar a una transición “ordenada”, expresar tu amor por la democracia y tratar de restaurar el viejo status quo lo más rápido posible. Eso es lo que ha venido pasando en Egipto, aunque no sabemos si está funcionando o no.

Leia mais em Rebelión

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

IX Reunión de Antropología del Mercosur, "Culturas, Encuentros y Desigualdades"

Universidad Federal do Paraná, Curitiba, 10 al 13 de julio de 2011.

GT – 60 : Servicio Doméstico, trayectorias, procesos, relaciones
Coordinadoras:
Jurema Brites, UFSM
Ania Tizziani, UNGS
Débora Gorban, UNSAM


El servicio doméstico constituye una de las principales fuentes de empleo femenino urbano en América Latina. Para el año 2006, esta forma de empleo representaba casi 19% de la población femenina ocupada en Uruguay, 17% en Brasil, 15% en Chile y 11% en México y  18%  en la Argentina[1].

Pese a su relevancia en términos de creación de empleo, el estudio de las actividades vinculadas al servicio doméstico está particularmente subrepresentado en la literatura de las ciencias sociales latinoamericanas. Si bien algunos países del continente han desarrollado, desde hace algunas décadas, un campo de investigaciones dinámico en torno a esta forma de empleo (Brasil y México en particular), éste es marginal en comparación con la abundante literatura centrada en otras categorías de trabajadores –como por ejemplo los obreros industriales-, o en el sector informal, pero sin focalizar necesariamente en el servicio doméstico.

El espacio restringido que ocupa el empleo doméstico en la literatura académica contrasta con el interés y la actualidad que presenta el tema en las sociedades contemporáneas. En efecto, la importancia del servicio doméstico se ha incrementado en las últimas décadas, invalidando las tesis que vaticinaban su desaparición a través del desarrollo de la “tecnificación” del trabajo doméstico y la industrialización de las sociedades modernas. La creciente participación femenina en la población económicamente activa, la ausencia de servicios públicos vinculados a los trabajos domésticos y al cuidado de personas, la feminización de las migraciones internacionales y el envejecimiento de las sociedades constituyen factores que han incrementado considerablemente la demanda en el sector. Sin embargo, este nuevo contexto introduce profundas mutaciones en el servicio doméstico.

Los primeros estudios sobre el tema elaborados en los países latinoamericanos han privilegiado enfoques centrados en las relaciones de género y las cuestiones migratorias. Al combinar proximidad física y distancia social, el servicio doméstico ha sido también analizado en el marco de problemáticas ligadas a la desigualdad y las jerarquías sociales, basadas en el origen étnico, la nacionalidad o la condición migratoria. Estas problemáticas se redefinen hoy y se suman a nuevos ejes de investigación. El (lento) desarrollo de las legislaciones laborales en el sector da lugar a nuevos enfoques que privilegian el análisis de la articulación de lógicas contractuales y afectivas, o la imbricación entre lo público y lo privado. La reciente literatura sobre la economía del cuidado ha dado un marco más general para el estudio y la cuantificación del valor económico de los trabajos domésticos y las tareas de cuidados en la reproducción de las sociedades. El estudio de las actividades y tareas específicas de trabajo doméstico se inserta, por otra parte, en problemáticas ligadas al análisis de técnicas corporales y cultura material de diferentes sectores sociales, entre otras perspectivas. De esta manera, el servicio doméstico puede ser pensado como un nudo donde se cruzan problemáticas centrales para las ciencias sociales.
El objetivo de este GT será reflexionar en torno a las diversas problemáticas a las que remite el universo complejo del servicio doméstico desde una perspectiva interdisciplinaria. Se trata de abrir un espacio de diálogo entre diferentes disciplinas y enfoques del trabajo en el sector, tratando de crear puentes hacia las problemáticas más generales de las ciencias sociales. A su vez este GT se propone aportar a la construcción de un espacio de intercambio entre las diferentes investigaciones que se llevan a cabo en diferentes países del continente, con el objetivo de multiplicar y enriquecer las perspectivas de análisis.

Ejes temáticos sugeridos 
1. La legislación vigente, la legislación ausente
2. Trayectorias laborales, trayectorias migrantes
3. Relaciones de trabajo, relaciones afectivas: patronas y empleadas
4. El empleo doméstico en la historia
5. Organización y acción colectiva
6. Imágenes y representaciones culturales del servicio doméstico

Presentación de propuestas de trabajo para los Grupos de Trabajo

El envío de propuestas para la presentación de trabajos en los grupos de trabajo es permitido a todo y cualquier investigador(a) actuante en el área de sociología, ciencias sociales y disciplinas afines, en la condición académica mínima de graduado(a). Cada investigador(a) podrá inscribir una única propuesta de trabajo como primer(a) autor(a), en un único GT.

ATENCIÓN: Trabajos producidos en co-autoría deberán ser presentados por el PRIMER autor, conforme indicado en los formularios en línea. Para fines de registro en el evento, solamente la titulación del (de la) PRIMERO(A) AUTOR(A) del trabajo será considerada en el proceso de selección de las propuestas.
La propuesta de trabajo deberá ser realizada a través de formulários específicos, disponibilizados en el sitio de la Reunión. Estos deben ser accesados por el AUTOR PRINCIPAL del trabajo. Serán solicitados:
- Título propuesto;
- Resumen, de hasta 900 caracteres, incluyendo espacios;
- Opción entre presentación oral de trabajo, pendón informativo o ambos.
- Códigos de inscripción de los demás co-autores de trabajo. Todos los co-autores deben haber realizado sus registros en el sitio del Congreso, generando así el código de inscripción que el(la) autor(a) debe tener a mano en el momento de la inscripción de trabajo.

domingo, 20 de fevereiro de 2011

A terceira morte de Vlado Herzog

Após caso revelado por colunista do iG, diretor afirma que documentos podem ser consultados sem apresentação de atestado de óbito

 

Crédito da foto: nonada

Após artigo publicado neste sábado, 19, pelo colunista do iG Ricardo Kotscho, o escritor Audálio Dantas finalmente poderá pesquisar os documentos em posse do governo federal sobre a tortura seguida de morte do jornalista Vladimir Herzog em 1975. O diretor-geral do Arquivo Nacional, Jaime Antunes, afirmou não ser necessária a apresentação de atestado de óbito, requisito que havia sido imposto a Dantas quando ele tentou obter acesso aos dados na coordenação regional do órgão em Brasília.

 

Leia mais em Último Segundo|Política iG

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Rematrícula UFRGS dia 24

Dia 24/02/11 inicia a encomenda de matrícula dos estudantes que já são alunos da Universidade. O processo inicia pela internet à meia-noite do mesmo dia e vai até às 18h do dia 28/02/11.
Não perca o prazo, faça a sua rematrícula aqui.

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Biblioteca nacional espanhola digitaliza 7 milhões de páginas até 2012

créditos dessa imagem: blogdegeraldopereira.blogspot.com
 A Biblioteca Nacional Espanhola deverá no final do próximo ano somar 130 mil obras digitalizadas, num total de 7 milhões de páginas, adianta a imprensa espanhola, com base em informação fornecidas pela directora da instituição, Gloria Perez, numa entrevista à agência Efe.

 Leia mais em Tek.

Guarde bem esse rosto, eleitor...

Romero Jucá dará parecer contrário a todas as emendas ao projeto do salário mínimo


 O líder do governo, senador Romero Jucá (PMDB-RR), confirmou em entrevista por telefone à Agência Senado que será o relator do projeto que cria a política de valorização do salário mínimo. Aprovado na Câmara na última quarta-feira (16), o projeto (PL 382/11 na Casa de origem) fixa o piso salarial de 2011 em R$ 545, conforme orientação do Executivo, e deve ser votado pelo Senado na próxima quarta (23).

Pela proposta, até 2015, o mínimo será reajustado anualmente, de acordo índice de inflação do ano, mais o crescimento do PIB dos dois anos anteriores. Um decreto presidencial divulgará a cada ano os valores mensal, diário e horário do salário, com base na fórmula definida.
- Daremos todas as explicações à base e votaremos o projeto da forma como ele veio da Câmara - disse Jucá, adiantando que dará parecer contrário a todas as emendas apresentadas.
Se sofrer modificações no Senado, o projeto terá que voltar à Câmara, o que pode impedir que o novo mínimo entre em vigor a partir do dia 1º de março. A oposição já anunciou que pretende apresentar duas emendas. A primeira delas proporá um mínimo maior, de R$ 600. A segunda pretende suprimir do projeto o trecho que retira do Legislativo a prerrogativa de decidir sobre o valor do piso salarial nacional.
- O salário mínimo será fixado por lei. O decreto é apenas uma ação operacional - disse Jucá em defesa do mecanismo.
Uma terceira emenda foi anunciada pelo senador Paulo Paim (PT-RS), que disse que irá propor que, além da inflação de 2010, o salário mínimo seja reajustado em mais 2,75%.
Jucá, que deverá encaminhar pedido de urgência para votação do projeto já na quarta-feira tanto na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) quanto no Plenário, disse ainda que entrará em acordo com as lideranças para que a votação das emendas seja feita nominalmente.

Raíssa Abreu / Agência Senado

A Era do Capital, de Eric J. Hobsbawm 1848 – 1875


Esse livro é o segundo volume da série de livros que, se não falam de nós mesmos, falam da nossa era. Hobsbawm faz uma releitura concisa e nada imparcial sobre os fatos históricos desde a Revolução Francesa de 1789 – o qual é o primeiro volume: A Era das Revoluções 1789 – 1848 (Revolução Francesa e Revolução Industrial) – como esses dois fenômenos transformaram a nossa sociedade. Leitura imprescindível para quem quer entender a sociedade em que vive, pois muitos problemas atuais são oriundos da falsa promessa de Liberdade, Fraternidade e Igualdade.
E nesse livro encontrei dados interessantes sobre a leitura e a promoção de cultura no continente europeu:
“Os museus e as galerias públicas de arte surgiram, ou foram ampliadas, ou reconstruídas e transformadas, como também as grandes bibliotecas nacionais – o salão de leitura do Museu Britânico foi construído em 1852-57, a Bibliothèque Nationale reconstruída em 1854-75. De forma mais geral, o número das grandes bibliotecas (diferentemente das universidades) multiplicou-se de forma fenomenal na Europa, e mais modestamente nos Estados Unidos. Em 1848, havia cerca de quatrocentas com talvez 17 milhões de volumes na Europa; por volta de 1880 havia quase doze vezes mais, com quase o dobro de volumes. A Áustria, a Rússia, a Itália, a Bélgica e a Holanda multiplicaram o seu número de biblioteca por dez, a Inglaterra quase a mesma coisa, mesmo Espanha e Portugal quase quatro vezes, e os Estados Unidos menos de três vezes. (Por outro lado, os Estados Unidos quase que quadruplicaram o número de seus livros, feito superado apenas pela Suíça)” HOBSBAWM, Eric J. A Era do Capital 1848-1875. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996, p. 395.


              
Nunca tivemos em toda a História do Brasil um amplo investimento dessa envergadura. Esses investimentos foram implementados pela nova classe que estava se afirmando no poder, porém, com uma visão uma pouco mais esclarecida em relação às nossas elites. Um ótimo livro que fornece um panorama completo do período estudado.
Além do mais, sempre cai uma questão sobre esse período na Prova de História da UFRGS, às vezes até duas questões. Portanto, lê-lo é pré-requisito para chegar lá.

Descartes e a referência à linguagem de sinais



No livro Discurso do Método, de René Descartes, encontrei uma referência bem interessante à língua de sinais. É claro que é uma referência inserida no contexto em que a obra foi escrita, século XVII.
“Pois é uma coisa muito notável que não há homens tão embrutecidos e tão estúpidos, sem excetuar os loucos, que não sejam capazes de dispor juntas diversas palavras, e de compor um discurso pelo qual façam entender seus pensamentos; ao contrário, não há outro animal, por mais perfeito e bem nascido que possa ser, que faça o mesmo. O que não acontecem por lhe faltarem os órgãos, pois sabemos que as pegas e os papagaios podem proferir palavras como nós, sendo no entanto incapazes de falar como nós, isto é, de testemunhar que pensam o que dizem; enquanto os homens que, nascidos surdos e mudos, são privados, tanto ou mais que os animais, dos órgãos que servem aos outros para falar, costumam inventar eles próprios alguns sinais, fazendo-se entender por aqueles que, vivendo ordinariamente com eles, têm vontade de aprender sua língua”. DESCARTES, René. Discurso do Método; tradução de Paulo Neves. – Porto Alegre: L&PM Pocket, 2009, p. 97.
Discurso do Método é uma obra de referência, pois foi com ela que se colocou a dúvida como motor de inovações e descobertas, não aceitando as coisas como verdadeiras que não se conheça evidentemente com tal.

As Benevolentes, de Jonathan Littell


Não achei que o carrasco, personagem principal de As Benevolentes, Maximiliem Aue, foi tão cruel assim. Talvez a crueldade resida na forma burocrática e industrial de produzir assassinatos em massa, especialmente dos judeus, maiores vítimas da II Guerra Mundial – mas não os únicos –, esse incrível romance nos remete a algumas situações bem fortes, em que o humano transcende todos os limites e que como ele mesmo diz que não há o desumano e sim o humano e nada mais. Às vezes, o romance fica pesado, sufocante, é como se o autor conseguisse trazer à superfície toda a tensão do front de guerra. Um detalhe interessante é que a capa do livro possui várias versões com alguns cortes na própria capa que, aliás, é de um vermelho sangue, mas não ficamos chocados com esse detalhe.

Leia o Livro aqui.
Outro aspecto da obra são os conflitos que o próprio personagem sofre ao longo da vida até alistar-se no Exército Nazista. Homossexual, violento, sem uma boa relação com a mãe devido à partida do pai quando menino – e possível co-autor de um incesto com a irmã, são as idas e vindas de uma mente atormentada, sádica; mas que em momentos de extrema violência no front é capaz de acender uma faísca de humanidade em tempos negros como a escuridão que somente uma guerra dessa envergadura pode produzir.
Creio que outro ponto importante da obra são as análises dos bastidores da guerra: o confronto imperialista do eixo nazista contra o leste europeu, mais precisamente contra a então União Soviética. A discussão do carrasco nazista com um comandante soviético é estonteante: nessa conversa vemos as análises do nazismo e marxismo indo na mesma direção quando essas visões de mundo tão conflitantes e contraditórias, mas que numa conversa num porão de execução é de uma reflexão profunda sobre o momento em questão.
Uma leitura inquietante, nada simples, mas enriquecedora para aqueles que buscam algo diferente, mas bem próximo de um evento dessa proporção.

Estante da Biblioteca ETS


Algumas linhas sobre o livro O que é Ética, de Álvaro L. M. Valls.

“Se alguém afirma que o determinismo é total, então não há mais ética. Pois a ética se refere às ações humanas, e se elas estão totalmente determinadas de fora para dentro, não há espaço para a liberdade, como autodeterminação, e, conseqüentemente, não há espaço para a ética”. p. 49.
Um livro bem interessante e esclarecedor esse O que é Ética, da Editora Brasiliense da Série Princípios. O autor produz uma breve historiografia filosófica, desde o seu surgimento com Sócrates e o seu apogeu com Kant. Além disso, é esclarecedor em vários pontos reflexivos do cotidiano, fornecendo uma bibliografia para mais aprofundamento do leitor.


Boa leitura.

Inclusão Escolar Conjunto de práticas que governam, de Maura Corcini Lopes e Morgana Domênica Hattge [Orgs.]
       
Um livro bem direcionado ao contexto escolar e um tanto útil a quem trabalha no ambiente escolar. Os autores trazem à discussão alguns conceitos bem interessantes e nem tão fáceis de entendimento como governamento, diferença, resistência.
A diferença é o marco regulatório de discussão no século XXI; sempre pensamos a diferença a partir do conceito de identidade que, em geral, parte da nossa própria identidade em relação ao outro, o qual tão somente sofre “variação”. Um livro bem interessante para quem acredita em uma Educação com qualidade e profissional, mas nem menos Humanista.


Ética e Cidadania Construindo Valores na Escola e na Sociedade

Esse livro é um documento oficial do Ministério da Educação e da Secretaria de Educação Básica, segundo Ulisses F. Araújo, p. 11, entender a cidadania a partir da redução do ser humano às suas relações sociais e políticas não é coerente com a multidimensionalidade que nos caracteriza e com a complexidade das relações que cada um e todas as pessoas estabelecem com o mundo à sua volta.



A obra ainda aborda temas como Direitos humanos e educação, Ética e educação, Convivência democrática e educação, além de Ética, cidadania e educação.

Todos esses exemplares estão disponíveis na Biblioteca da Escola Técnica de Saúde para consulta local.
Acessa o blog da bibliotecaets. E as imagens dos livros somente foram possíveis graças à colaboração do meu amigo Izaías Quintana, auxiliar da biblioteca Clóvis Vergara Marques.

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

X-Men: First Class - Trailer 1

Assista aqui no bibliotecando por aí mais uma produção Marvel. Agora, a trama é remontada à juventude dos dois maiores líderes mutantes: Charles e Erik.

Dá uma olhada aí:

Maior biblioteca digital do Brasil é gratuita

Com seu acervo exclusivamente composto de textos completos e itens digitais integrais como sons e imagens, a Biblioteca Digital da Central de Cursos da Universidade Gama Filho ultrapassou a marca de um milhão de itens neste início de fevereiro de 2011, e torna-se a maior Biblioteca Digital do Brasil.

Como referência para esta marca, podemos citar a BDTD - Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações, mantida pelo Ministério da Ciência e Tecnologia e baseada no mesmo conceito de compartilhamento de arquivos abertos, que segundo seu site possui um acervo de 152.546 itens de textos completos produzidos pelas universidades brasileiras.

Outra referência é a Biblioteca Domínio Público, mantida pelo Ministério da Educação, que disponibiliza para a população um total de 186.740 itens digitais integrais segundo seu site A Biblioteca Digital da Central de Cursos da Universidade Gama Filho é um serviço de extensão universitária que disponibiliza gratuitamente para a população a totalidade dos acervos digitais de texto completo de bibliotecas de 1.435 universidades, artigos de 48 mil periódicos científicos, além dos bancos de dados de centros de pesquisa, bibliotecas nacionais e órgãos governamentais de 62 países, através da participação no consórcio internacional OAI - Open Archives Initiative, o maior compartilhamento de informação científica da história.

O acervo da Biblioteca Digital da Central de Cursos é formado pelas teses e dissertações de mestrado e doutorado de importantes universidades do exterior como, por exemplo, Harvard, Yale, Berkeley, Oxford, Cambridge, Universidade de Paris, Universidade Complutense de Madrid e Universidade do Porto, além de instituições de ensino superior brasileiras como a USP, Unicamp, UFRJ, UFMG, UNB e FGV. Também estão integrados acervos digitalizados de várias Bibliotecas Nacionais, como a do Congresso Americano, Biblioteca Nacional da França, da Espanha e de Portugal.

O usuário encontra os artigos completos de periódicos como os precedings da Revista Nature e as coleções abertas da PubMed Americana e PubMed Britânica. A integração ibero-americana é enfatizada através da integração com a REDALYC, a maior rede científica de publicações da América Latina.

Leia mais em: Adnews

Brasil não segue padrões internacionais e rede Wi-Fi está atrasada no país

Levantamento da Consultoria Teleco aponta que o Brasil está muito abaixo dos padrões internacionais no quesito número de pontos de acesso gratuito à internet sem fio, chamados hot spots Wi-Fi. Enquanto aqui os internautas contam com 4.035 locais para se conectarem livremente à rede, em países como a Coreia do Sul, por exemplo, cuja população equivale a cerca de um quarto da brasileira, os pontos Wi-Fi chegam a 42.143 — mais de 10 vezes o total registrado em solo nacional. Para piorar, os hot spots brasileiros estão concentrados em uma única região. Só em São Paulo estão 2.490 portas de acesso, ou 61,7% da cobertura do país e cinco vezes mais que o segundo colocado, Rio de Janeiro, onde há 456 portas. No Distrito Federal são 151 pontos de conexão.

Leia mais em: Diário de Pernambuco

Bibliotecas em Portugal são cada vez mais procuradas por crianças e jovens

As bibliotecas municipais e escolares em Portugal estão a ganhar importância como espaços privilegiados para utilização da Internet, revela um estudo europeu sobre crianças e riscos online hoje, sexta-feira, apresentado na Universidade Nova de Lisboa.

Este foi um dos dados que surpreendeu a coordenadora nacional do estudo, Cristina Ponte, que reforça o potencial das bibliotecas como espaço a apostar para ensinar os alunos a fazer uma boa utilização da Internet. Os investigadores presentes no debate sobre os resultados do estudo foram unânimes em considerar que com a rede de bibliotecas escolares e com a presença - obrigatória há dois anos - de professores bibliotecários está aberto caminho para uma intervenção mais ativa junto dos alunos. Esta intervenção passa por dar apoio, controlar e ensinar a fazer um bom uso da Internet, nomeadamente junto dos jovens oriundos de estratos socioeconómicos mais baixos, que são, simultaneamente, quem tem menos apoio deste género em casa e quem mais usa as bibliotecas, por ter acesso à Internet grátis.

Biblioteca de São Paulo completa um ano de atividades

Na terça-feira, dia 8, a Biblioteca de São Paulo comemorou o seu aniversário de um ano. O balanço deste primeiro ano mostra que a instituição do governo paulista é um sucesso, comprovado pelos números: a biblioteca recebe 30 mil pessoas por mês, em média - de fevereiro de 2010 a janeiro de 2011 passaram pelo espaço 309.100 visitantes. Neste período, também foram cadastrados 30.628 usuários e emprestados 153.638 livros.

"Em um ano de atividades, a Biblioteca de São Paulo já foi incorporada ao cotidiano da cidade. As pessoas sabem que ali elas têm acesso disponível à internet e muitos livros ao alcance das mãos, dos clássicos aos best sellers, além de periódicos", afirma o Secretário de Estado da Cultura, Andrea Matarazzo. "É um projeto que deu certo, uma ideia que deve ser replicada e que amplia o acesso a cultura de qualidade para a população."

Crédito da foto: Cultura Hip Hop



Leia mais em: O Serrano.

Funcel lança programa de incentivo à leitura

Os 100 primeiros sócios deste ano concorrerão a prêmio

Visando estimular a leitura, principalmente de jovens e adolescentes em idade escolar, a Biblioteca Municipal de Ariquemes, Pedro Tavares, lança um desafio aos adeptos da leitura e aqueles que ainda não têm o hábito de ler. Os cem primeiros estudantes que fizerem a carteira de sócio da biblioteca vão concorrer a uma cesta artesanal com 15 itens. A promoção é da biblioteca em parceria com duas associações que trabalham com artesanato e arte em geral. Quem tem carteira de sócio pode retirar até três livros por semana. A biblioteca atende de 7h30 até as 20h30, de segunda a sexta. Aos sábados, até o meio dia.

Leia mais em: Tudo Rondônia.

Direto do E-mail...

A Biblioteca Britânica quer a criação de uma lei para completar seu acervo de jogos de videogame
 Por Felipe Marra Mendonça 
Desde 1662, uma lei inglesa requer que pelo menos uma cópia de cada publicação seja enviada para a Biblioteca Britânica para então ficar arquivada em uma das mais completas coleções do mundo. Agora, a biblioteca pretende aplicar o mesmo zelo colecionador à indústria dos videogames e conta com a ajuda do governo em criar uma lei semelhante. Assim, os produtores de jogos teriam de enviar cada título produzido para a instituição.
 Paul Wheatley, especialista em preservação digital da biblioteca, disse em entrevista ao Independent que a instituição tem interesse em arquivar os milhares de jogos já produzidos no Reino Unido nos últimos 30 anos e expandir o trabalho feito pelo Arquivo Nacional de Videogames. “Gostaria que a Biblioteca Britânica apoiasse o arquivo com a nossa experiência na preservação de arquivos digitais”, disse Wheatley.

Leia mais em: Carta Capital.

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Corte no Orçamento será de R$ 50 bilhões, diz Mantega.

Guido Mantega
O ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou nesta quarta-feira, 9, que o corte no Orçamento de 2011 será de R$ 50 bilhões. Com isso, o resultado primário esperado é de R$ 81,8 bilhões. Na proposta orçamentária aprovada pelo Congresso, o resultado primário previsto era de R$ 49,8 bilhões. O governo também reviu a projeção de receitas líquidas de transferência, que foram reduzidas de R$ 819,7 bilhões para R$ 801,7 bilhões. As despesas primárias foram reajustadas de R$ 769,9 bilhões para R$ 719,9 bilhões.