Ocorreu um erro neste gadget

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Exercícios de Vestibular para as turmas 203 2 204 - Profª. Camila Bairros


Escola Estadual de Ensino Médio Prof. Júlio grau
História Professora Camila
Questões de vestibulares 2o Ano Ensino Médio TURMAS 203 E 204

Fonte: COTRIM, Gilberto. História Global Brasil e Geral. São Paulo: Saraiva; 2010. p. 18 - 19.

1. (ENEM-2008) Na América inglesa, não houve nenhum processo sistemático de catequese e de conversão dos índios ao cristianismo, apesar de algumas iniciativas nesse sentido. Brancos e índios confrontaram-se muitas vezes e mantiveram-se separados. Na América portuguesa, a catequese dos índios começou com o próprio processo de colonização, e a mestiçagem teve dimensões significativas. Os índios não tinham defesas contra as doenças trazidas pelos brancos, forram derrotados pelas armas de fogo destes últimos e, muitas vezes, escravizados.
No processo de colonização das Américas, as populações indígenas da América Portuguesa:

a)   Foram submetidas a um processo de doutrinação religiosa que não ocorreu com os indígenas da América inglesa.

b)   Mantiveram  sua cultura tão intacta quanto a dos indígenas da América inglesa.

c) Passaram pelo processo de mestiçagem, que ocorreu amplamente com os indígenas da América inglesa.

d)   Diferenciaram-se dos indígenas da América inglesa por terem suas terras devolvidas.
e)   Resistiram, como os indígenas da América inglesa, às doenças trazidas pelos brancos.

2. (FUVEST) Durante o período colonial, o Estado português deu suporte legal a guerras contra povos indígenas do Brasil, sob diversas alegações, derivou daí a guerra justa, que fundamentou:

a)      O genocídio dos povos indígenas, que era, no fundo, a verdadeira intenção da igreja, dos Estado e dos colonizadores.

b)      A criação dos aldeamentos pelos jesuítas em toda a colônia, protegendo os indígenas dos portugueses.

c)      O extermínio dos povos indígenas do sertão quando, no século XVII, a lavoura açucareira aí penetrou depois de ter ocupado todas as áreas litorâneas.

d)     A escravização dos índios, pois, desde a Antiguidade, reconhecia-se o direito de matar o prisioneiro de guerra ou escravizá-lo. 

e)      Uma espécie de “limpeza étnica”, como se diz hoje em dia, para garantir o predomínio do homem branco na colônia.

3. (UFS) Durante o chamado Período Pré-colonizador, a ocupação portuguesa, a atividade econômica básica e a mão de obra nela empregada ficaram caracterizadas, respectivamente, pelas:

a)      Feitorias, exploração do pau-brasil e mão de obra indígena.

b)    Capitanias hereditárias, cultivo da cana-de-açúcar e pelo índio sob o regime de escravidão.

c)      Feitorias, exploração do pau-brasil e mão de obra escrava.

d)     Capitanias hereditárias, exploração do pau-brasil e mão de obra indígena submetida à orientação dos jesuítas.

e)      Feitorias, cultivo da cana-de-açúcar e pelo indígena pacificado.

4. (PUC-CAMP) “Não se pode contar nem compreender a multidão de bárbaro gentio que a natureza semeou por toda esta terra do Brasil. (...) Deus permitiu que fossem contrários uns dos outros, e que houvesse entre eles grandes ódios e discórdias, porque se assim não fosse os portugueses não poderiam viver na terra nem seria possível conquistar tanta gente.

Quando os portugueses começaram a povoar a terra, havia muitos destes índios pela costa junto das capitanias. Porque os índios se levantaram contra os portugueses, os governadores e capitães os destruíram pouco a pouco, e mataram muitos deles. Outros fugiram para o sertão, e assim ficou a costa despovoada de gentio ao longo das capitanias.”


GONDAVO, Pero de Magalhães. Tratado da terra do Brasil. São Paulo, Obelisco, 1964.

O relato de Gondavo sobre os índios e suas relações com os portugueses no Brasil é do século XVI. Sobre essas relações, é correto afirmar que:

I.     Os portugueses e os índios praticaram genocídio, uns em relação aos outros.

II.  A empresa colonizadora portuguesa teve, também, um caráter militar.

III.  Os índios resistiram ao domínio português.

IV. Os índios não defenderam as suas terras situadas no litoral.

Estão corretas:

a)      I, II, III e IV
b)      I, II e IV somente.
c)      III e IV somente.
d)     II e III somente.
e)      I e IV somente.

5. (UFPI) Leia o texto a seguir.

“De todos esses exemplos antigos e modernos consta claramente que não há nações do mundo grosseiras, incultas, selvagens e bárbaras, rudes ou cruéis e todas que não sejam, que não possam ser persuadidas, conduzidas e encaminhadas, para a ordem e a civilização e se tornarem civilizadas”.

RUGGERO, Romano. Mecanismos da conquista colonial. São Paulo, Perspectiva, p. 84.

Civilizar, na perspectiva dos colonizadores espanhóis e portugueses, significava:

a)  Favorecer a assimilação da cultura européia pelos indígenas, sem violência.

b) Desenvolver a obra catequética respeitando as religiões dos povos indígenas.

c) Convencer os grupos indígenas da superioridade étnico-cultural dos europeus.

d) Respeitar a pluralidade cultural dos grupos indígenas que habitavam as Américas.

e) Facilitar, pelo processo de aculturação, a preservação da identidade étnico cultural indígena.

EDITORA MODERNA. História Caderno de revisão Ensino Médio. São Paulo: Editora Moderna, 2010.

6. (FUVEST-SP) O estabelecimento dos franceses da Baía de Guanabara, em 1555, é um entre outros episódios que ilustram as relações entre a França e as terras americanas pertencentes à Coroa lusitana, durante os três primeiros séculos da colonização.

a)      Explique o que levou os franceses a se estabelecerem pela primeira vez nessas terras.

b)      Cite e caracterize uma outra tentativa francesa de ocupação na América Portuguesa.

Fonte: UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. Vestibular da UFRGS 2008 Provas comentadas Processo de avaliação. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2008.

7. Assinale a alternativa correta em relação à história dos Jesuítas no Brasil.

a) O Marquês de Pombal, por meio do Alvará real de 1759, autorizou a criação de missões jesuíticas.

b) O padre José de Anchieta, autor do Diálogo sobre a Conversão do Gentio, incentivou a luta contra os franceses no Rio de Janeiro.

c) O papa Paulo III, numa bula de 1536, decretou a legitimidade da escravidão dos indígenas.

d) O Marquês de Lavradio, autor de O Valeroso Lucideno, defendeu a causa dos Sete Povos das Missões.

e) O padre Antônio Vieira, autor do Sermão de Santo Antônio aos Peixes, criticou os costumes dos colonos e a escravidão dos indígenas.

Um comentário: