Ocorreu um erro neste gadget

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

A Era do Capital, de Eric J. Hobsbawm 1848 – 1875


Esse livro é o segundo volume da série de livros que, se não falam de nós mesmos, falam da nossa era. Hobsbawm faz uma releitura concisa e nada imparcial sobre os fatos históricos desde a Revolução Francesa de 1789 – o qual é o primeiro volume: A Era das Revoluções 1789 – 1848 (Revolução Francesa e Revolução Industrial) – como esses dois fenômenos transformaram a nossa sociedade. Leitura imprescindível para quem quer entender a sociedade em que vive, pois muitos problemas atuais são oriundos da falsa promessa de Liberdade, Fraternidade e Igualdade.
E nesse livro encontrei dados interessantes sobre a leitura e a promoção de cultura no continente europeu:
“Os museus e as galerias públicas de arte surgiram, ou foram ampliadas, ou reconstruídas e transformadas, como também as grandes bibliotecas nacionais – o salão de leitura do Museu Britânico foi construído em 1852-57, a Bibliothèque Nationale reconstruída em 1854-75. De forma mais geral, o número das grandes bibliotecas (diferentemente das universidades) multiplicou-se de forma fenomenal na Europa, e mais modestamente nos Estados Unidos. Em 1848, havia cerca de quatrocentas com talvez 17 milhões de volumes na Europa; por volta de 1880 havia quase doze vezes mais, com quase o dobro de volumes. A Áustria, a Rússia, a Itália, a Bélgica e a Holanda multiplicaram o seu número de biblioteca por dez, a Inglaterra quase a mesma coisa, mesmo Espanha e Portugal quase quatro vezes, e os Estados Unidos menos de três vezes. (Por outro lado, os Estados Unidos quase que quadruplicaram o número de seus livros, feito superado apenas pela Suíça)” HOBSBAWM, Eric J. A Era do Capital 1848-1875. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996, p. 395.


              
Nunca tivemos em toda a História do Brasil um amplo investimento dessa envergadura. Esses investimentos foram implementados pela nova classe que estava se afirmando no poder, porém, com uma visão uma pouco mais esclarecida em relação às nossas elites. Um ótimo livro que fornece um panorama completo do período estudado.
Além do mais, sempre cai uma questão sobre esse período na Prova de História da UFRGS, às vezes até duas questões. Portanto, lê-lo é pré-requisito para chegar lá.

Nenhum comentário:

Postar um comentário