Ocorreu um erro neste gadget

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Pará reduz o déficit de municípios sem bibliotecas públicas


Terra Santa, Faro, Almerim, Cumaru do Norte, Pau D'arco, Redenção, Itupiranga, Tucuruí, Eldorado dos Carajás, Curionópolis, São João da Ponta, Curuçá, Anajás, Bagre, Novo Progresso e Tracuateua são alguns dos municípios já beneficiados pelo Projeto Mais Biblioteca, coordenado pelo Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas, da Fundação Cultural do Pará Tancredo Neves. Eles também receberam o kit de implantação de Bibliotecas do Ministério da Cultura, por meio do Programa Livro Aberto.

Esses avanços fazem parte de um esforço concentrado do Estado para zerar o déficit de bibliotecas públicas no Pará, fruto de um trabalho itinerante que percorreu diversas localidades, somando às equipes que atuaram no programa muitas horas de carro, barco ou avião para vencer as distâncias continentais do estado.

O Projeto Mais Biblioteca é fruto de uma parceria entre os ministérios da Cultura e da Educação, sob coordenação do Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas - da Fundação Biblioteca Nacional - e tem instalado bibliotecas públicas em todos os municípios que ainda não possuem esses espaços. Mais implantações acontecerão no Pará durante o mês de outubro em Terra Alta, São João da Ponta, Anajás, Novo Progresso, Placas, e no mês de novembro em Afuá. Além das implantações, foram feitas revitalizações em espaços de leitura nos municípios de Conceição do Araguaia, Cachoeira do Arari, Melgaço, Soure, Ourém e Irituia.

Segundo o Presidente da Fundação Tancredo Neves, Nilson Chaves, parte do acervo das novas bibliotecas será proveniente do Projeto Livro Legal – Cesta de livros, fruto da parceria entre o órgão estadual e o Tribunal de Justiça do Estado do Pará. Os recursos advindos de sentenças indenizatórias em todas as Comarcas do Estado, no valor de “cesta básica”, serão transformados em “cestas livros”. Para Nilson, ao implantar essas bibliotecas, Estado e União possibilitam que as pessoas voltem a ter contato com a leitura ou que comecem essa relação, contribuindo para atenuar problemas em outras áreas.

O trabalho dos técnicos da Fundação começa antes mesmo da implantação das bibliotecas, com as visitas aos gestores municipais para sensibilizá-los sobre a importância social e educacional desses espaços, e o planejamento para tanto - desde a procura do espaço adequado, passando pela contratação de funcionários, até a tramitação de projeto de lei para criação da biblioteca. Engenheiros, arquitetos, bibliotecários são muitos os profissionais capacitados para fazer o assessoramento técnico em cada município atendido.

O próximo passo é a remessa dos documentos necessários para efetivar a inscrição do novo espaço no Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas e a inscrição no programa "Mais Cultura", do MEC, para receber o kit de implantação, e ainda no Ministério das Comunicações, para instalação do telecentro.

Biblioteca pronta e kit entregue, os técnicos passam à montagem dos mobiliários, equipamentos e capacitação dos profissionais que atuarão nessas salas, por meio de oficinas de organização de acervo, automação de bibliotecas, além de treinamentos para atendentes e mediadores de leitura. Findo todo o processo, o espaço está pronto para ser entregue à população e para formar cidadãos mais conscientes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário