Ocorreu um erro neste gadget

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Macunaíma o herói sem nenhum caráter

Por Mário Sérgio Leandro

Sempre tive a curiosidade de ler esse livro, mas nunca o tive nas mãos. Eis que tive a oportunidade de lê-lo na Estante do Troca-Troca da Biblioteca da ESEF/UFRGS.

Macunaíma o herói sem nenhum carater pode ser considerada uma das primeiras histórias em que se postula o original herói brasileiro com todos os seus 'brasilianismos'. Segundo Mário de Andrade, "no fundo do mato-virgem nasceu Macunaíma, herói de nossa gente. Era preto e retinto e filho do medo e da noite... E aos seis anos de idade, incitado a falar, disse: Ai que preguiça".

Não sendo nem romance, nem rapsódia, Macunaíma ficou sendo o que já tinha sido quando nasceu: livro, mas também peça de teatro.
Para quem quer ler uma obra engraçada e a qual mistura todo o imaginário do que seja ser um herói brasileiro, vai encontrar tudo isso em Macunaíma o herói sem nenhum caráter. Se Mário de Andrade abusa da fantasia na narrativa das aventuras da personagem principal, também ficam algumas dúvidas em relação a algumas passagens do livro em que Macunaíma "brinca" com uma 'cunhatã' mesmo contra a vontade dela. Seria esse um caso de abuso?

O que mais chama a atenção no texto é a potencialização do 'jeito' brasileiro como super-poderes de Macunaíma, o qual encontra solução para todos os seus problemas. Há também por parte do autor um esmero em descrever o melhor possível as características da fauna e flora brasileiras, pois a riqueza de detalhes impreciona também no que se refere às expressões tipicamente indígenas e, além disso, a origem de certos ditos populares, como "Vá tomar banho" e a origem do "Cruzeiro do Sul", tudo isso surgido apartir da aventura do herói.

Macunaíma herói sem nenhum caráter é uma obra genuinamente brasileira, criada por, talvez, um dos maiores pensadores em termos de Brasil no século XX. É um bom livro porque ainda mostra muito de todos nós, mesmo que seja muito pouco.

Um dos pouco livros que pode ser considerado um clássico da nossa Literatura.

"Tem mais não".


Nenhum comentário:

Postar um comentário